Botox

É uma das designações comerciais de uma toxina produzida por uma bactéria chamada “Clostridium Botulinum”, que provoca uma doença designada por Botulismo. Esta toxina que referimos, e que é usada para efeitos médicos, é obtida em laboratório e, como tal, purificada e enfraquecida. É usada, desde há duas décadas, em Medicina para tratar o estrabismo, contraturas musculares do pescoço (torcicollis ou torcicolo), contraturas e “tiques” faciais, contraturas palpebrais, espasmos da face, retenção urinária, tremores da voz, etc..

Em síntese, é utilizada pelos neurologistas, oftalmologistas, otorrinolaringologistas, fisiatras e cirurgiões plásticos e estéticos. Neste caso, com o objetivo de travar o envelhecimento facial, nas seguintes situações clínicas:

  1.  com resultados excecionais nas rugas de expressão frontal (rugas da testa) e glabela (zona entre os olhos), em que a dose é muito reduzida, aplicada com anestesia local e sem interrupção do trabalho e da vida social, conferindo uma região frontal lisa;
  2. parte externa das pálpebras (pés de galinha);
  3. região peri-bucal, designadamente comissuras e lábio superior.

O Botox deve ser aplicado nestas zonas, em pequenas doses, criteriosamente, por um especialista em Cirurgia Plástica. Os resultados previstos têm a duração de cerca de seis meses, podendo, em alguns casos, ir até aos oito a dez meses e haver até uma melhoria efetiva, uma vez que atua por bloqueio químico na musculatura estriada que está dependente da vontade do próprio. Em algumas situações, acaba-se por perder o hábito da contração muscular, que causa as rugas.

Este tratamento pode também ser usado de forma isolada, como complemento do tratamento cirúrgico do envelhecimento da face e pescoço (Facelift), do tratamento cirúrgico das pálpebras (Blefaroplastia) e do preenchimento dos lábios (Queiloplastia).

O Botox constitui um elemento clínico e terapêutico muito útil pela facilidade de aplicação, rapidez e efetividade de ação, mas deve ser aplicado com critério e saber, pois qualquer excesso ou desvio da região anatómica conduz a resultados indesejáveis.